Geolocalização das peças

Metodologia
Você está aqui:
< Voltar

1. Exibidoras cadastram informações individuais de cada peça:

1.1. Latitude/Longitude;

1.2. Azimute;

1.3. Altura;

1.4. Largura;

1.5. Altura do chão via de visibilidade a base da peça;

1.6. Número de faces da peça;

1.7. Tipo de suporte: Papel, Digital;

1.8. Tempo de cada face comercial no ciclo de exposição;

1.9 Tempo de exposição de conteúdo dentro de cada ciclo de exposição.

 

2. Com base nestas informações, as peças são geolocalizadas no mesmo sistema que guarda as informações de volume e perfil de tráfego.

 

3. Todas as peças possuem devem ter fotos mostrando os diferentes sentidos de aproximação.  A grande maioria destas fotos é obtida de sistemas com o Google Street View.

 

4. Na falta destas fotos nestes sistemas, os exibidores devem provê-las.

 

5. ROTS

5.1. O sistema gera, para cada peça, um cone de visibilidade. Para diferentes tamanho de peça, são gerados diferentes triângulos, de diferentes tamanhos, mas sempre semelhantes.

5.2. Todos os trechos de vias com visibilidade para a face são destacados.

5.3. Com base nas fotos, são marcados os pontos que, apesar de estarem dentro da área de visibilidade e no sentido de aproximação, possuem uma obstrução permanente que impede a visualização da face.

5.4. Todo o volume de pessoas que trafegam por estas vias, no sentido de aproximação da face e nos trechos com visibilidade para a faces é contabilizado, considerando o volume de tráfego de cada via, discriminando cada modo, com atribuição de velocidade média diária para cada um deles.

5.5 Este valor é o Real Opportunity to See (ROTS): o número de pessoas que passa por uma face, no sentido de aproximação da face, sem obstrução para poder vê-la, com determinada velocidade, dependendo do modo.

Gostou? Compartilhe nas redes sociais: